Governo Bolsonaro estuda barateamento da Energia Solar Fotovoltaica

O ATUAL GOVERNO ESTUDA O BARATEAMENTO DE ENERGIAS RENOVÁVEIS COMO FORMA DE INCENTIVO AO CRESCIMENTO DO MERCADO E DE DIVERSIFICAR A MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

O vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), eleito pelo estado do Rio de Janeiro e filho do presidente da República Jair Bolsonaro, declarou neste domingo (6 de Outubro) que o governo está estudando o barateamento da energia solar fotovoltaica.

“O Presidente Bolsonaro pediu aos técnicos do governo estudos e números para viabilizar barateamento da energia solar e suas aplicabilidades para o consumidor”

A energia solar fotovoltaica no Brasil foi homologada pelo governo em 2012 através da Resolução Normativa 482/12 da ANEEL, Agência Nacional de Energia Elétrica, sob os auspícios do Ministério de Minas e Energia (MME), três anos depois, em 2015 o país teve outra regulamentação que define os parâmetros para Geração Distribuída através da Resolução Normativa 687/15. Desde então houveram poucos incentivos para Energia Solar Fotovoltaica no Brasil e alto índice de tributação sobre mercado de energia solar.

O Presidente Bolsonaro e seus filhos: Eduardo Bolsonaro, Carlos Bolsonaro afirmou que o pai pediu estudos sobre energia solar

Na publicação, Carlos fez menção a uma conversa de Bolsonaro com um seguidor pelas redes sociais. No diálogo, o seguidor pede ao presidente para baixar o imposto que incide sobre as placas solares, o Presidente respondeu em seguida que encomendou estudos.

A energia fotovoltaica é uma tecnologia nova presente na matriz elétrica brasileira, e que nos últimos anos tem demonstrado um forte interesse da população e também em razão do ganho de competitividade que essa tecnologia traz.

A fonte está se tornando cada vez mais barata e acessível. Hoje, o Brasil tem menos de 1% da sua matriz elétrica atendida por energia solar fotovoltaica. Então, é uma tecnologia que ainda está em fase de inserção na nossa matriz juntamente a outras tecnologias como Blockchain e IoRE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *